Domingo, 19 de Outubro de 2008

Heart of darkness

 

Subir o rio era o mesmo que viajar para trás, até às primeiras idades do mundo, quando a vegetação transbordava da terra e as árvores reinavam. Uma torrente deserta, um grande silêncio, a floresta impenetrável. O ar quente, espesso, muito pesado, mole. A luz solar não tinha alegria.

 

O Coração das Trevas é um livro curto, mas intenso, exótico e mitómano que, desde 1920, ano da sua primeira publicação em Inglaterra, tem vindo a inspirar cinema e literatura. Foi este livro de Joseph Conrad que serviu de referência a Francis Ford Coppola, nas partes mais perturbadoras do argumento de Apocalipse Now, na década de 70.

 

A subida épica do rio Congo, até ao coração das trevas, é-nos contada pelo enigmático Marlow, marinheiro-vagabundo, de «espírito caseiro que arrastava consigo a casa - o navio; e a terra - o mar.» É Marlow quem timoneia a viagem de gentes diversas, peregrinos e indígenas canibais, mas todos vagabundos numa terra com ar de planeta desconhecido. Há um registo, visivelmente fantástico, em toda esta descrição.

 

Podíamo-nos imaginar como primeiros homens que tomassem posse de uma herança maldita a poder de angústias profundas e desmesurado esforço.

 

Assim é.  À medida que este grupo entra selva adentro vai ganhando em ferocidade, em selvajaria pura, o que vai perdendo em humanidade e em razoabilidade. A Natureza torna-se, por conseguinte, manifestação do Mal, das Trevas.

Kurtz, cujos escritos denunciavam um homem notável a princípio, preocupado com práticas idealistas do Bem, acaba, no final, por se colocar nos antípodas daqueles  mesmos ideais. Aquele que Marlow vai encontrar, já não é o Kurtz celebrado por todos; kurtz tornou-se a própria selva, a sombra, imenso na sua grandeza maligna.

Marlow regressa com os escritos que Kurtz lhe confiou à Europa; procura a prometida, a mulher que ficou e reclama ter conhecido Kurtz na sua natureza mais genuína: fecha-se o triângulo em torno de um homem formidável, a quem a floresta densa  subjugou. Malrow sobrevive a Kurtz... assim como as Trevas que Marlow reconhece a vogar à sua volta, pela Europa, no eco das últimas palavras de Kurtz: «O Horror. O Horror.»


tags:

publicado por Mnemosine às 22:12 | link do post | comentar

mais sobre mim
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


posts recentes

Booklovers

Versos, versos, versos,

Fernando Pessoa - Como a ...

Poema à boca fechada

Prelúdio de Natal

Íntima distância

Alma

Dom Mario Vargas Llosa

Jorge Luís Borges: Alguém...

Nona hora

links
arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds