Segunda-feira, 27.12.10

 

Nem só lamas, nem só lodos ...

 

 

 

 



publicado por Mnemosine às 14:41 | link do post | comentar

Quarta-feira, 01.09.10

 

Colecciono silêncios de abundância

silêncios de tardes calmas, de água

silêncios de escadas e de salas

momentos antes da arruada

 

Guardo silêncios de vozes amadas

os seus passos, o seu sossego

salvo conduto

nos dias de noite e nevoeiro

 

O silêncio chilreado dos pássaros

nas manhãs da infância

o bater de asas, as gaivotas

a erguerem-se em lufadas

 

Guardo o silêncio nos poemas

versos volteados, de mar

de pó, de setembro

silêncios meus

de horas vagas.

 

 



publicado por Mnemosine às 21:39 | link do post | comentar

Sábado, 20.06.09

 

 

De silêncio me grito e me dilato

Nas frases blateradas pelo Mundo

A ter de ser, serei, mas pouco exacto

Nas coisas que, ignorando, me aprofundo.

 

Fui rei enquanto fui vagabundo,

Sem ter de atraiçoar meu ar pacato.

Vivi a Eternidade num segundo,

Tendo sido a nudez meu próprio fato.

 

Das rosas não senti o seu perfume...

Das paixões, nem o gelo,nem o lume...

De mim, talvez a alma como emblema...

 

Por isso é que me grito de mudez

E a esse Ser Sublime que me fez

Eu entrego o Silêncio num poema!

 

15 de Fevereiro de 2002

 

 



publicado por Mnemosine às 21:56 | link do post | comentar | ver comentários (3)

mais sobre mim
Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
26
27
28
29
30


posts recentes

Poema à boca fechada

Collectiouse

Silêncio by Paulo Ilharc...

links
arquivos

Abril 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds